Refis da Copa: Débitos previdenciários e tributários

 

Novo parcelamento tem prazo de adesão entre 20 de junho e 29 de agosto de 2014.

 

Foi reaberto por meio da Lei nº 12.996, de 18 de junho de 2014, o prazo de adesão ao chamado “Refis da Crise”, regido originariamente pela Lei 11.941, de 2009 e pela Lei 12.249, de 2010. Este novo parcelamento já foi apelidado de “Refis da Copa” e tem como prazo de adesão o período de 20 de junho de 2014 e 29 de agosto de 2014.

 

Os débitos administrados pela RFB (Receita Federal do Brasil) e pela PGFN (Procuradoria Geral da Fazenda Nacional) que poderão ser incluídos no parcelamento são aqueles vencidos até 31 de dezembro de 2013, sendo fixadas as seguintes antecipações de pagamento: I – 10% (dez por cento) do montante da dívida objeto do parcelamento, após aplicadas as reduções, na hipótese de o valor da dívida ser até R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais); e II – antecipação de 20% (vinte por cento) do montante da dívida objeto do parcelamento, após aplicadas as reduções, na hipótese de o valor total da dívida ser superior a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

 

O pagamento à vista conta com as seguintes reduções: (i) 100% (cem por cento) das multas de mora e de ofício; (ii) redução de 40% (quarenta por cento) das multas isoladas; (iii) redução de 45% (quarenta e cinco por cento) dos juros de mora; e d) redução de 100% (cem por cento do encargo legal).

 

Os débitos poderão ser parcelados em até 180 (cento e oitenta) prestações, contando com os seguintes descontos:

 

                                Multa de Mora e de Ofício          Multas isoladas           Juros de Mora           Encargo legal

 

Pagamento à vista                     100%                             40%                         45%                      100%

 

Até 30 parcelas                          90%                              35%                         40%                      100%

 

Até 60 parcelas                          80%                              30%                         35%                      100%

 

Até 120 parcelas                        70%                              25%                         30%                      100%

 

Até 180 parcelas                        60%                              20%                         25%                      100%

 

Também poderão ser incluídos os débitos objeto de outros parcelamentos anteriores, contanto com os seguintes descontos:

 

                               Multa de Mora e de Ofício           Multas isoladas            Juros de Mora           Encargo legal

 

Refis                                         40%                               40%                        45%                       100%

 

Paes                                         70%                                40%                       30%                        100%

 

Paex                                         80%                                40%                       35%                        100%

 

Outros parcelamentos               100%                                40%                       40%                        100%

 

Não serão necessárias garantias para a concessão do parcelamento. Todavia se o débito for objeto de discussão judicial em que foram ofertadas garantias em dinheiro ou efetuado o depósito judicial, de acordo com as disposições constantes da Portaria Conjunta n.º 6/2009, após a sua consolidação, o depósito será convertido em renda da União ou transformado em pagamento definitivo, cabendo ao contribuinte apenas levantar eventual saldo remanescente.

 

Os débitos que são objetos de discussões judiciais, encontrando-se com a exigibilidade suspensa, podem ser parcelados desde que o contribuinte desista da respectiva ação judicial. Esta determinação, contudo, vem sendo submetida ao Poder Judiciário, havendo entendimento, ainda não pacificado, de que a adesão ao parcelamento não impede a discussão judicial da exigência fiscal, mormente quando ilegal o que culminaria com a vedação de acesso ao próprio Poder Judiciário.

 

Por outro lado, as parcelas são atualizadas pela variação da Selic e de juros de 1% (um por cento) ao mês. Ao que tudo indica, ainda serão concedidas mais benesses pelo Estado, neste ano de eleição, com a redução das alíquotas do pagamento antecipado.

 

Por Ana Paula Oriola De Raeffray

Fonte: Última Instância

Praça Champagnat 29, 9º andar

Centro  Cep 37002-150

Varginha MG

​​TELEFONE:   35 3221-1633